Hare Krsna Hare Krsna Krsna Krsna Hare Hare Hare Rama Hare Rama Rama Rama Hare Hare

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Aula Radhastami, 2016 - Iskcon Lisboa


Foto: Bouquet de flores Kadamba na mão de Sri Isvari Radha.
"Radha soletrado ao contrário é Dhara, um fluxo de néctar." (Gaudiya Gutika) 
Aula Radhastami, 2016 - Iskcon Lisboa:
om ajnana-timirandhasya jnananjana-salakaya caksur unmilitam yena tasmai sri-gurave namah
Estavamos na mais escura região da ignorância e nossos mestres espirituais abriram nossos olhos com o archote do conhecimento. A eles ofereçamos nossas mais humildes e respeitosas reverências.
sri-caitanya-mano-'bhistam sthapitam yena bhu-tale
svayam rupah kada mahyaṁ dadati sva-padantikam
Quando Srila Rupa Gosvami Prabhupada, que estabeleceu neste mundo material a missão para satisfazer o desejo do Senhor Caitanya, nos dará refúgio sob seus pés de lótus?
he krishna karuna-sindho dina-bandho jagat-pate
gopesa gopika-kanta radha-kanta namo ’stu te
Ofereçamos nossas respeitosas reverências a nosso querido Krsna, Ele é o amigo dos aflitos e a fonte da criação. É o senhor das Gopis e o amante de Radharani.
tapta-kancana-gaurangi radhe vrindavanesvari
vrishabhanu-sute devi pranamami hari-priye
Ofereçamos nossos respeitos a Radharani, cuja compleição corpórea é como ouro fundido e que é a Rainha de Vrndavana. Ela é a filha do Rei Vrishabhanu, e é muito querida pelo Senhor Krsna.
namo maha-vadanyaya krishna-prema-pradaya te
krishnaya krishna-caitanya-namne gaura-tvishe namah
Ofereçamos nossas respeitosas reverências a Gauranga Mahaprabhu, a encarnação mais misericordiosa, Ele é o próprio Krsna que aparece como Sri Krsna Caitanya Mahaprabhu. Assume a compleição dourada de Srimati Radharani, e distribui amplamente o amor puro por Krsna.
1 - Este verso é muito importante pois mostra uma característica marcante do  Movimento de Sankirtana. O Movimento de Sankirtana é misericordioso e compassivo. Os integrantes do Movimento de Sankirtana saem para disseminar, propagar e difundir amplamente o amor puro por Krsna. 
Portanto, o Movimento de Sankirtana é o Movimento de ... Srimati Radharani !!! 
A misericórdia de Sri Krsna Caitanya Mahaprabhu provém de Srimati Radharani que quer ocupar todas as almas no serviço a Krsna. 
2 - Radharani aparece no meio-dia. Por isso o jejum é até o meio-dia. Alguns devotos fazem jejum o dia todo. O jejum mais importante é de tópicos não relacionados com Radha Krsna.
Srimati Radharani aparece numa  flor de lótus dourada. Tem Seus olhos fechados. Se tem os olhos fechados, como consegue perceber a presença de Krsna no berço? 
Abre Seus olhos ao sentir o  aroma do corpo de Krsna.
Sri Krsna é 1 ano mais velho que Sri Radha. A idade eterna de Krsna é de quinze anos, nove meses e sete dias e meio.
A idade eterna de Sri Radha é de quatorze anos, dois meses e quinze dias.
3 - Quem é esta mocinha?
"Nos países ocidentais, quando alguém vê a capa de um livro como este, o livro de Krsna, ele imediatamente pergunta: "Quem é Krsna? Quem é a moçinha que está com Krsna?" (Srila Prabhupada - Prefácio Livro de Krsna)
Krsna é a Pessoa Suprema e Radharani é Sua companheira eterna.
O relacionamento conjugal de Krsna com Radha e as Gopis é completamente espiritual e mais ... é eterno. 
Não está baseado numa busca pessoal egoista de satisfação dos sentidos. Mas está baseado numa entrega total ao outro. Eternamente. É uma relação de compromisso eterno entre Krsna e Sua amada. 
Pessoas inescrupulosas e devotos não muito sérios tentarão tirar proveito sensorial dos passatempos de Krsna e as Gopis. Erro crasso.
Eles são um só. Svarupa Sakti.
Svarupa Sakti divide-se em:
Samvit Sakti - manifesta todos os humores de relacionamento amorosos em Vraja, e é regido pelo proprio Krsna.
Hladini Sakti - manifesta toda a bem-aventurança destes relacionamentos, e é regido por Srimati Radharani.
Sandhini Sakti - manifesta tudo em Vraja, água, terras como as vilas, florestas, jardins, Giri Govardhana, os locais de passatempos de Krsna. Também manifesta todos os objectos transcedentais usados nos passatempos de Krsna, assim como os corpos transcedentais de Sri Krsna, Sri Radha, Sakhis, Sakhas, vacas, Dasas, Dasis e tudo o mais, e é regido por Sri Balarama. 
Krsna é Deus servido. Balarama e Radha são Deus que servem.
Poderiamos dizer que Krsna como Deus que é servido é superior a Radha e Balarama que são Deus que servem. No entanto, o amor de Radha e Balarama controla o próprio Krsna.
E assim, em termos de Tattva (verdade filosófica), Bhagavan Sri Krsna é superior a Radha, pois Ele é o Adi-purusha, ou a Pessoa original, mas, em termos de Lila (as aventuras transcendentais do mundo espiritual), Radha é superior, chegando às vezes até a controlar e a castigar Krsna, o controlador supremo, como observamos na seguinte citação de Srila Prabhupada:
"Srila Rupa Gosvami declara que o serviço devocional atrai até o próprio Krsna. Krsna atrai todo o mundo, mas o serviço devocional atrai Krsna. O símbolo do serviço de­vocional do mais alto grau é Radharani. Krsna é chamado Madana-mohana, que significa que Ele é tão atractivo que pode derrotar a atracção de milhares de Cupidos. Mas Radharani é ainda mais atractiva, pois é capaz de atrair até mesmo Krsna. Por isso, os devotos chamam-nA de Madana-mohana-mohani, “Aquela que atrai Aquele que atrai o Cupido." 
4 - Portanto a posição de Sri, Srimati, Svamini Radha é muito exaltada. O Brahma Gayatri é na verdade, na concepção Gaudiya, uma adoração a Sri Sri Radha Krsna. 
Bhur representa o mundo físico e sensual, Bhu-loka, onde estamos, o mundo da nossa experiência.
Bhuvah representa a esfera mental subtil, o mundo mental de aceitação e rejeição - eu gosto disso, eu não gosto disso. 
Svah (Svargaloka) é o plano de inteligência onde a razão e discriminação ditam decisões.
Tat resume e reduz estes três planos de experiência para uma entidade "estes". A palavra Tat significa que estes três planos são mostrados por Savitur, o sol, ou a alma individual.
Savitur significa o sol que revela os três planos de existência material. Aqui Savitur na verdade significa a alma. Não é, na verdade, o sol que nos permite ver as coisas. De facto isto só é possível com a ajuda da alma.  O centro da existência de uma entidade viva individual não é o sol, mas a alma que ilumina o
corpo com consciência e percepção. Pois é a alma que dá luz a este mundo, e fornece a compreensão do nosso meio ambiente. 
Sem a alma não há percepção. Apesar de geralmente a palavra Savitur significar "sol", aqui só pode referir-se a alma.
A palavra Varenyam significa adorável, venerável, e indica a área da Superalma que é para ser adorada pela alma.
Em geral, a palavra Bhargo significa luz. Bhargo também podem ser substituída por Bhanu que quer dizer sol ou "que nos mostra pela luz".  Radharani também é conhecida como Vrsabhanunandini, a filha do rei Vrsabhanu que, como seu pai, eram fiéis adoradores do deus sol. Srimati Radharani é a própria essência da Svarupa-sakti de Krsna. Sri Radha ilumina a prática do serviço devocional.
Bhargo, Svarupa-sakti ou energia interna pessoal, pertence a Deva (Devasya) que significa "bonito e brincalhão". A palavra Devasya então significa
Sri Krsna.
5 - Assim Radha está manifesta no plano espiritual e no plano material como Durga
Como a alma condicionada quer desfrutar de relacionamentos prazerosos neste mundo material, é Durga que propicia prazer em tais relacionamentos, que são temporários.
Os relacionamentos prazerosos eternos no mundo espiritual são propiciados por Srimati Radharani (Hladini Sakti).
Originalmente, Radha e Durga são uma só, mas Radha através de Sua expansão como Durga actua no plano material. Ambas propiciam prazer nos relacionamentos. Uns espirituais eternos e outros materiais temporários.
Svarupa-sakti, Srimati Radhika, tem três tipos de potência de actividade (Kriya-sakti). 
São conhecidas como: Cit-sakti, Jiva-sakti e Maya-sakti. Cit-sakti é também chamada de potência interna (Antaranga-sakti); Maya-sakti é chamada de potência externa (Bahiranga-sakti); e Jiva-sakti é chamada de potência marginal (Tatastha-sakti). 
Embora Svarupa-sakti seja uma, age nestas três maneiras. Todas as características eternas de Svarupa-sakti estão completamente presentes em Cit-sakti, presentes em um grau diminuto em Jiva-sakti, e presentes de uma maneira distorcida em Maya-sakti (Durga).
Assim, Sri Radha actua em todos os planos. No plano espiritual como Radha e na Sua expansão distorcida no plano material como Durga.
No Sammohana Tantra, Durga declara:
"Eu sou Durga. Eu possuo todas as virtudes. Eu não sou diferente de Sri Radha, a eterna deusa suprema da fortuna."
6 - Bhavollasa - nós amamos Krsna somente porque Ele é muito querido por Radhika.
Existem cinco tipos de Sakhis: (1) Sakhi, (2) Nitya-sakhi, (3) Prana-Sakhi, (4) Priya-sakhi, e (5) Parama-prestha-sakhi.
Entre estas. algumas são Sama-sneha [igualmente afectuosas por Radha e Krsna] e algumas são Visama-sneha [mais afectuosas só por um dEles].
Aquelas que são mais afectuosas por Krsna são chamadas Sakhis.
Algumas destas Sakhis são Vrnda, Kundalata, Vidya, Dhanistha, Kusumika, Kamada, Atreyi, etc.
As Nitya-sakhis são mais afectuosas por Sri Radha.
Algumas das Nitya-sakhis são Kasturi, Manojna, Mani-manjari, Sindura, Candanvati, Kaumudi, Madira, etc.
As principais entre as Nitya-sakhis são chamadas Prana-sakhis. Algumas das Prana-sakhis são Tulasi, Kelikandali, Sasimukhi, Candrarekha, Priyambada, Madonmada, Vasanti, Kalabhasini, Ratnabali, Malati, Kanpurlatika, etc.
As Priya-sakhis e Parama-prestha-sakhis  são igualmente afectuosas por Radha e Krsna. No entanto, ainda assim, mais inclinadas por Sri Radha.
Entre dezenas de milhões de belas Vraja Priya-sakhis estão Candralatika, Guncura, Barangada, Madhavi, Candrika, Premanjari, Tanumadhyama, Kandarpasundari, etc.
As principais entre as Priya-sakhis são as Parama-prestha-sakhis Lalita, Visakha, Citra, Campakalata, Rangadevi, Sudevi, Tungavidya e Indulekha. 
Embora possamos cultivar qualquer um destes humores, o Parampara Gaudiya Vaisnava na sua maioria segue uma maior afeição por Sri Radha. Isto está evidenciado no Prema Bhakti Chandrika 51 de Srila Narottama Dasa Thakura:
sama snehā viṣama snehā, nā koriho dui lehā
kohi mātra adhika snehā-gaṇa nirantara thāke saṅge, kṛṣṇa kathā līlā raṅge narma sakhī ei sab jana 
"Afeição igual por Radha e Krsna ou mais afeição por Krsna do que por Radha - não se apeguem a isto. 
Vou apenas falar sobre a preferência por Sri Radha !!! 
Elas estão sempre em Sua companhia, muito felizes a falar-Lhe acerca de Krsna. Elas são todas Sakhis que participam nos passatempos."
Então podemos dizer que as Nitya-sakhis (Manjaris), consideram o serviço (Dasya) de Sri Radha ser a meta mais elevada da vida.
Então, isto significa que Krsna não é mais Rasamrta-murtih nem Visaya e, em vez disso Sri Radha tomou esta posição?
Certamente que não. Quanto mais tentamos estabelecer Sri Radha como o centro, mais Ela vai colocar Krsna no centro.
Sri Radha, Ela mesma declara:
yadi āmā'-prati sneha thāke sabākāra 
tabe kṛṣṇa-vyatirikta nā gāibe āra 
"Se você tem alguma afeição por Mim, então não fale de nenhum tópico a não ser sobre Krsna." (Caitanya-bhagavata Madhya 28.27)
Então neste sentido podemos dizer que somos Saktas. Porque adoramos Krsna através de Radha. Não como os Saktas que excluem Purusa. 
Se alguém quiser afirmar que somente adora com exclusividade Srimati Radharani, Ela, Sri Radhika irá afirmar: "Mas eu adoro Sri Krsna !!!"
Portanto, embora Bhavollasa signifique mais atracção por Sri Radha, isto age como um bumerangue e produz ainda mais atracção por Sri Krsna !!! 
7 - Radharani Ki Jaya, Maharani Ki Jaya
Todos os Vrajabasis cantam esta canção para Srimati Radharani, principalmente quando circuambulam o Radha Kunda:
radharani ki jai, maharani ki jai 
bolo barsane vari ki jai jai jai
1 - Todas as glórias a Radharani !!! Todas as glórias a maior de todas as rainhas. Cantem as glórias de Radharani, a qual vive em Varsana.
thakurani ki jai, hari priya ki jai 
vrsabhanu-dulari ki jai jai jai
2 - Todas as glórias à Radha Thakurani, a qual é a querida de Sri Hari. Todas as glórias a amada filha do rei Vrsabhanu.
gaurangi ki jai, hemangi ki jai 
vrajaraja-kumari ki jai jai jai
3 - Todas as glórias a Radharani cuja compleição é clara e cujos membros são dourados.
vraja-rani ki jai, vraja devi ki jai 
gahvara vana vari ki jai jai jai
4 - Todas as glórias a rainha de Vraja. Todas as glórias a Deusa de Vraja. Todas as glórias a Radha que executa passatempos na floresta de Gahvara.
Sri Radhastami Maha Mahotsava Ki Jaya !!!
8 - Em Radhastami (dia do aparecimento de Srimati Radharani), os devotos banham Radharani em Panca Amrta, cinco néctares:
1 - Fé Amorosa.
2 - Rendição.
3 - Afecto.
4 - Lembranças.
5 - Orações.
No entanto, no Sri Radha Kundastami (dia do aparecimento do Radha Kunda - no próximo dia 23 de Outubro), Srimati Radharani reciproca com os devotos, abraçando-os amorosamente e banhando-os com o néctar líquido de Seu Prema.
9 - Qual a melhor forma de adorar Radha? Qual a melhor forma de adorar Krsna? Por cantar o Maha Mantra Hare Krsna. Radha fica muito feliz por ouvir o nome de Krsna e Krsna fica muito feliz por ouvir o nome de Radha. 
O Maha Mantra Hare Krsna é um Yugala-mantra. Yugala (par, casal) divino.
Hare Krsna Hare Krsna Krsna Krsna Hare Hare Hare Rama Hare Rama Rama Rama Hare Hare
Sri Sri Radheeeeeeeeeeeeeeeeeeeee Syama !!! 

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Não é possível escondê-lo


Rāgānugā Sādhana Bhakti:
"Não se pode encontrar o amor onde ele não existe, nem é possível escondê-lo quando ele é real." (Autor Desconhecido)
Rāgānugā Sādhana Bhakti:
"True love cannot be found where it does not truly exist, nor can it be hidden where it truly does." (Author Unknown)

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Entusiasmo


"Entusiasmo significa lembrar-se constantemente do Senhor."
(Srila Prabhupada - Renúncia através da Sabedoria)

No Brain, No Gain


ācāryāt pādamādatte pādaṁ śiṣyaḥ svamedhayā
pādaṁ sabrahmacāribhyaḥ pādam kālakrameṇa ca
"Uma pessoa aprende 1/4 com o Guru, 1/4 com a própria inteligência, 1/4 ao analisar entre irmãos espirituais, e 1/4 com o passar do tempo."
(Sri Nīlakaṇṭha)
ācāryāt pādamādatte pādaṁ śiṣyaḥ svamedhayā
pādaṁ sabrahmacāribhyaḥ pādam kālakrameṇa ca
One learns 1/4 from the Guru, 1/4 by one’s own intelligence, 1/4 by discussion among god-brothers, and 1/4 only with passage of time.
(Sri Nīlakaṇṭha)

domingo, 14 de agosto de 2016

Porque é produzida, tem um começo.


"Liberação, porque é produzida, tem um começo. Mas porque é indestrutível, não tem fim."
(Ṭīkā de Śrīla Viśvanātha Cakravartī Ṭhākura, SB - 11.11.4)
Portanto, nada disso de que tivemos uma relação prévia com Kṛṣṇa. Cool !!!
"Liberation, because it is produced, has a beginning. But because it is indestructible, it has no end."
(Ṭīkā by Śrīla Viśvanātha Cakravartī Ṭhākura, SB - 11.11.4)
So, no way we had a previous relationship with Kṛṣṇa. Cool !!!

O "canal" !!!


Foto: Alimentos para a Vida na Colômbia a distribuir Prasadam para crianças carentes.
"O nosso Sadhana pessoal prospera quando servimos os demais." (Sakhicarana Dasa)
Servir os devotos e demais pessoas é, como diz no Brasil, o "canal" !!!
Photo: Food for Life in Colombia distributing Prasadam for children in need.
"Sadhana flourishes on service to people." (Sakhicarana Dasa)
To serve the devotees and other people is, as saying in my place, the "channel" !!!

sábado, 13 de agosto de 2016

Radha Dasyam !!!


Radha Dasyam !!!
Entre uma volta de Japa e outra, concentrando-se nas suas identidades espirituais e pedindo permissão para Guru Manjari e Rupa Manjari, os Sadhakas fazem uma suave massagem na mão delicada de Svamini Radha. 
Depois, segurando Sua mão, dizem-Lhe: "Aonde quer que vás, eu irei."
O cantar do Santo Nome e a adoração à Deidade alcançam uma outra dimensão quando os Sadhakas são conscientes do serviço prestado com suas identidades espirituais.
"Que um dia tenhamos a suprema boa fortuna, advinda da mais pura misericórdia sem causa de nosso Guru, de sermos por ele (na sua forma espiritual eterna de manjari) conduzidas (também como Manjaris) até Sri Radha e a Ela apresentadas como suas mais novas jovens criadas (em torno de 11 anos de idade). 
Guru Manjari unirá nossas mãos à dEla. Svamini nos receberá com sorriso doce e um abraço caloroso (imaginem) de boas-vindas, como o que Sri Krsna dá quando recebe os recém-chegados vaqueirinhos. 
Daí em diante, seremos orientadas também por Lalita Sakhi e Rupa Manjari sobre como melhor servi-lA. Vamos ter tal sintonia com Radhika, que saberemos fornecer a Ela o que Ela deseja (e Ela sempre deseja a satisfação de seu amado, Sri Krsna) antes mesmo de Ela ter consciência de que era exatamente aquilo que Ela queria. 
Vamos passar a eternidade buscando formas de unir o jovem casal divino em Parakiya Bhava e servi-lOs em seus passatempos confidenciais. 
Vamos colher flores para adornar Sri Radhika e prepará-la como uma noiva para os seus encontros secretos com Kaneya. E vamos ralhar com Krsna sempre que Ele der o bolo nEla. 
Nessas ocasiões, Ele nos suplicará, então, que O ajudemos a desfazer a Maan de Sri Radhika. Nós iremos fazer esse "meio de campo" (não sem antes dar um "puxão de orelhas" nesse "naughty boy") e convenceremos Sri Radhika a receber Sri Krsna. 
Veremos então Sri Krsna humilde diante de nossa Svamini, trazendo explicações furadas... Mas no final, Eles farão as pazes e terão um encontro maravilhoso. E nós ficaremos em êxtase, sem descuidar do nosso Seva, que será realizado o mais discretamente possível, passando mesmo a sermos imperceptíveis, de forma a deixar o Yugala Kishora totalmente absortos um no outro. Tha thas tu (assim seja)!"
Radha Dasyam !!!
Between one round of Japa and another, focusing on their spiritual identities and asking permission to Guru Manjari and Rupa Manjari, Sadhakas do a gentle massage in the delicate hand of Svamini Radha.
After, holding Her hand, they tell Her: "Wherever You go, I will go."
The chanting of the Holy Name and Deity worship reach another dimension when Sadhakas are conscious of the service done with their spiritual identities.

quinta-feira, 28 de julho de 2016

“Logo que cantamos e ouvimos, imediatamente nos lembramos.” (Śrīla Prabhupāda)


Palestra de Śrīla Prabhupāda do SB 1.2.7 - Nova Vṛndāvana, 05 de Setembro de 1972:
"Um Yogi de primeira classe é aquele que está constantemente vinte e quatro horas a pensar em Kṛṣṇa. E Kṛṣṇa também diz, man-manā bhava mad-bhaktaḥ, pense sempre em Mim.
Assim, o nosso processo, o processo de Bhakti-yoga é muito simples, cantamos este Mantra, Hare Kṛṣṇa Hare Kṛṣṇa Kṛṣṇa Kṛṣṇa Hare Hare/Hare Rāma Hare Rāma Rāma Rāma Hare Hare (devotos cantam juntos). Assim, LOGO QUE CANTAMOS Kṛṣṇa, este nome, este santo nome, e assim LOGO QUE OUVIMOS sobre Ele, Kṛṣṇa, Hare Kṛṣṇa, IMEDIATAMENTE NOS LEMBRAMOS do que é Kṛṣṇa, Śravaṇaṁ Kīrtanam Smaraṇam. 
Smaraṇam significa lembrar. Desta forma, se continuarmos sempre a pensar em Kṛṣṇa, LEMBRANDO acerca de Seu nome, fama, qualidades, passatempos, então a vida é perfeita.
Isto é descrito aqui, vāsudeve bhagavati bhakti-yogaḥ prayojitaḥ (SB 1.2.7). Bhakti-yoga, isto é Bhakti-yoga, ouvir, cantar, lembrar, adorar, oferecer reverências, tornar-se um amigo, tornar-se um servo, e dedicar tudo para Kṛṣṇa.
Estes são processos diferentes, se você aceitar todos, ou um, dois, três, como você puder. E mesmo se aceitarmos somente um, então a vida será perfeita.
Se você simplesmente vir aqui e ouvir, sua vida vai ser perfeita. Se você não adorar, se você simplesmente vir - portanto, estamos a abrir centros em todo o mundo - se você simplesmente vir aqui e gentilmente ouvir o que estamos a falar de Deus, sua vida será bem sucedida. Simplesmente por Śravaṇaṁ."
Śrīla Prabhupāda Lecture on SB 1.2.7 -- New Vṛndāvana, September 5, 1972: 
"The first-class Yogi is he who is constantly twenty-four hours thinking of Kṛṣṇa. And Kṛṣṇa also says, man-manā bhava mad-bhaktaḥ, think of Me always. 
So our process, the Bhakti-yoga process is very simple, we chant this Mantra, Hare Kṛṣṇa Hare Kṛṣṇa Kṛṣṇa Kṛṣṇa Hare Hare/Hare Rāma Hare Rāma Rāma Rāma Hare Hare (devotees join in chanting). So AS SOON AS WE CHANT Kṛṣṇa, this name, this holy name, and AS SOON AS WE HEAR about Him, Kṛṣṇa, Hare Kṛṣṇa, IMMEDIATELY WE REMEMBER what is Kṛṣṇa, Śravaṇaṁ Kīrtanam, Smaraṇam. 
Smaraṇam means remembering. In this way if we continue always thinking of Kṛṣṇa, REMEMBERING about His name, fame, quality, pastimes, then your life is perfect. 
That is described here, vāsudeve bhagavati bhakti-yogaḥ prayojitaḥ (SB 1.2.7). Bhakti-yoga, this is Bhakti-yoga, hearing, chanting, remembering, worshiping, offering obeisances, to become friend, top become servant, and dedicate everything to Kṛṣṇa. 
These are the different process, if You accept all, or one, two, three, as you can. And even if we accept one only, then your life will be perfect. 
If you simply come here and hear, your life will be perfect. If you do not worship, if you simply come—therefore we are opening centres all over the world—if you simply come here and kindly hear what we are speaking about God, your life will be successful. Simply by Śravaṇam."

quarta-feira, 27 de julho de 2016

Nistha


NISTHA
Agora, isto é extremamente importante !!!
Um devoto pode estar fixo (Nistha) mentalmente lembrando-se (Smarana) mesmo sem estar fixo em actividades devocionais físicas e verbais.
Por Radhacarana Dasa:
"Do ponto de vista de algumas pessoas "aqueles que estão em Bhajana Kriya e Anartha Nivrtti são incapazes de fazer Smarana." Não é tão simples assim. Isto é porque eles simplificam a etapa de Nistha.
Com as palavras de Visvanatha Cakravarti Thakura no Madhurya Kadambini devemos lembrar que Nistha tem 3 divisões principais:
"Embora o serviço devocional directo tenha formas ilimitadas, basicamente, tem três divisões: Física (Kayiki), verbal (Vaciki) e mental (Manasi). Algumas pessoas sustentam que a firmeza primeiro manifesta-se em devoção física, então depois verbal, e finalmente em actividades devocionais mentais. Outros dizem que não existe tal progressão, já que os devotos podem ser mais ou menos favoráveis ao Senhor devido a diferenças na sua tolerância, força e vitalidade, de acordo com o seu carácter individual."
Tika:
"Firmeza em serviço devocional directo é de três tipos: física, verbal e mental.
Física refere-se a actividades como ouvir o Bhagavatam, colher Tulasi e flores, fazer guirlandas, adorar a Deidade, prestar reverências, circumambular ou limpar o templo.
Verbal refere-se a cantar os santos nomes, qualidades e passatempos do Senhor, recitar canções ou oferecer orações, ou falar das glórias do Senhor na conversa com os outros.
Mental refere-se a lembrar o nome, forma, qualidades e passatempos do Senhor.
Uma vez que todas estas actividades estão directamente relacionadas com Bhakti, a firmeza nelas é conhecida como Saksat-bhakti-visayini Nistha.
Na visão de algumas pessoas, Nistha manifesta-se em uma determinada ordem: em primeiro lugar, no plano físico, em seguida, verbal, e depois na mente.
Mas esta sequência não é aplicável a todos os devotos, porque as pessoas diferem em sua capacidade de tolerar tensões físicas ou mentais, ou na sua força e vitalidade, e assim algumas podem achar que é mais fácil atingir Nistha em uma ou outra actividade.
Por exemplo, não seria incomum para um devoto com um alto grau de força mental alcançar Nistha em Smarana antes das outras actividades.
Desta forma, não é correcto dizer que há uma seqüência definida."
Radhacarana Dasa aponta:
"Portanto, com este Siddhanta do Madhurya Kadambini, na verdade, alguém pode ter (tal habilidade) Nistha em Smarana e não outras, como a física (Kayiki) e verbal (Vaciki).
Isto varia de indivíduo para indivíduo. Consequentemente, quando se trata de praticas mentais (Manasi), tal Sadhaka pode ser mais potente."
NISTHA 
Now, this is extremely important !!! 
A devotee can be fixed (Nistha) in mind by remembering (Smarana) even without first being fixed in physical and verbal devotional activities.
By Radhacarana Dasa: 
"In the views of some people, "those who are in the stages of Bhajana Kriya and Anartha Nivrtti are unable to do Smarana". It is not so simple. This is because they simplify the stage of Nistha.
With the words of Visvanatha Cakravarti Thakura in Madhurya Kadambini we must remember that Nistha has 3 main divisions:
"Though direct devotional service has unlimited forms, basically it has three divisions: physical (Kayiki), verbal (Vaciki) and mental (Manasi). Some people hold that steadfastness first presents itself in physical devotion, then in verbal, and finally in mental devotional activities. Others say there is no such progression, since devotees may be more or less favorable to the Lord due to differences in their tolerance, strength and vitality, in accordance with their individual character." 
Tika of Ananta Dasa Babaji: 
"Steadfastness in direct devotional service is of three types: physical, verbal, and mental. 
Physical refers to activities such as listening to the Bhagavatam, picking Tulasi and flowers, making garlands, worshipping the Deity, paying obeisances, circumambulating or cleaning the temple. 
Verbal refers to chanting the holy names, qualities, and pastime of the Lord, reciting hymns or offering prayers, or talking of the Lord’s glories in conversation with others. 
Mental refers to remembering the name, form, qualities, and pastimes of the Lord. 
Since all these activities are directly related to Bhakti, steadiness in them is known as Saksat-bhakti-visayini Nistha.
In the view of some persons, Nistha manifests in a particular order: first on the physical plane, then verbal, and then in the mind. 
But this sequence is not applicable to all devotees, because people differ in their ability to tolerate physical or mental stresses, or in their strength and vitality, they may find it easier to attain Nistha on one or the other platforms. 
For instance, it would not be unusual for a devotee with a high degree of mental strength to find Nistha in Smarana before any other kind of activity. 
Therefore it is not right to say that there is a fixed sequence."
Radhacarana Dasa points:
"Therefore, with this Siddhanta from Madhurya Kadambini, actually someone can have (a greater abilitity) Nistha in Smarana than the others such as physical (Kayiki) and verbal (Vaciki). 
It varies from individual to individual. Hence when it comes to Manasi (mental) practices, the Sadhaka may be more powerful."

A única intoxicação permitida. Derivada de Rasa.


A única intoxicação permitida. Derivada de Rasa.
"Embora a fragrância das flores faça entreabrir o coração de todos, a abelha Rasika fica como que intoxicada pelo prazer deste mel. Da mesma forma, embora os corações de todos sintam prazer em ouvir sobre o grande amor das companheiras de Vraja, os corações dos Jāta-rati-mādhuryopāsaka - aqueles que adoram em Mādhurya-rasa e nos quais o amor por Deus se manifestou - tornam-se ainda mais intoxicados por Rasa."
(Gauḍīyā Guṭikā)
The only permitted intoxication. Derived of Rasa.
"Although the fragrance of the flowers causes everyone’s heart to blossom, the Rasika bee is as if intoxicated by the relish of this honey. In the same way, although everyone’s heart is delighted to hear about the great love of the Vraja companions, the heart of the Jāta-rati-mādhuryopāsaka, the worshiper who is in the Mādhurya-rasa and whose love for God has manifested, becomes even more intoxicated by Rasa."
(Rādhā Kuṇḍa Mahānta Śrī Anantadāsa Bābājī Mahārāja)

O maior presente

"O maior presente (prenda) que podemos dar ao Senhor é o oferecimento do nosso amor."
(Gauḍīyā Makaranda)
"The greatest gift which we can give to the Lord is the offering of our love."
(Mahānidhi Madanagopāla Dāsa Bābājī Mahārāja)

terça-feira, 19 de julho de 2016

Cervo e Corça de Sri Sri Radha Krsna


Foto: Cervos e Corças no Ramana Reti, Vrndavana. (por Deepti Chahar)
Suranga é o Cervo de estimação de Krsna. Rangini é a Corça de estimação de Radha.
Photo: Deer and Doe at Ramana Reti, Vrndavana. (by Deepti Chahar)
Suranga is Krsna's pet deer. Rangini is Radha's pet doe.

Devemos pensar na Lila


"Quando cantamos o Santo Nome devemos pensar na Lila (passatempos) de Krsna - esta é a perfeição do cantar."
(Srila Prabhupada)
"When we chant the Holy Name we should think of Krsna's Lila (pastimes) - this is perfection of chanting." 
(Srila Prabhupada)

O que separa esta Kali Yuga das outras Kali Yugas?


Foto: agora está na altura das monções em Vrndavana.
O que separa esta Kali Yuga das outras Kali Yugas?
Nesta Kali Yuga o cantar do Maha Mantra deve ser feito com Vraja Bhava. 
Photo: now is the monsoon season in Vrindavana.
What separates this Kali Yuga from the other Kali Yugas? 
In this Kali Yuga chanting of the Maha Mantra should be done with Vraja Bhava. 

Smarana 2.0


Smarana 2.0
Isto não faz nenhum sentido !!!
Erradamente argumenta-se que Smarana só é possível em estágios avançados.
No entanto, Bhakti Yoga desenvolve-se de forma gradual. Da mesma forma, as Angas de Bhakti desenvolvem-se gradualmente. 
Ou seja, na Anga de Kirtana, no inicio o Sadhaka canta com ofensas, depois o canto intermediário e por fim o canto inofensivo.
De igual maneira, na Anga de Arcana, no início o Sadhaka adora a Deidade de uma forma ritualística e depois passa a ser mais íntima.
Também, na Anga de Smarana, a meditação no inicio em Bhajana Kriya e Anartha Nivritti é Smarana, em Nistha é Dharana, em Ruci é Dhyana, em Asakti é Anusmrti e em Bhava/Prema é Samadhi.
E é assim com todas as Angas de Bhakti. Começa não sendo muito fixo e gradualmente vai aprimorando o cantar, o adorar, o lembrar, etc.
Argumenta-se de forma equivocada que somente quem é puro pode praticar Smarana. 
Oras, isto não faz nenhum sentido. 
É um facto, sim, que, inicialmente, a meditação do Sadhaka não é completamente transcendental. Mas também não é completamente transcendental enquanto o mesmo Sadhaka se envolve em Kirtana e Arcana. 
É então impróprio cantar os Santos Nomes ou adorar a Deidade enquanto ainda está tingido com desejos materiais? 
Na verdade tal argumentação é  bastante ofensiva. 
Por esta ordem de idéias ninguém poderia se ocupar nas Angas de Bhakti de cantar, adorar e lembrar antes de se tornar um devoto puro.
Smarana 2.0
This makes no sense !!!
Erroneously it is argued that Smarana is possible only in advanced stages.
However, Bhakti Yoga develops gradually. Likewise, the Angas of Bhakti develop gradually too.
That is, in the Anga of Kirtana at the beginning the Sadhaka chants with offenses, then the intermediate stage and finally offenseles chanting.
Similarly, in the Anga of Arcana, at the beginning the Sadhaka worships the Deity in a ritualistic form and then it becomes more intimate.
Also, in the Anga of Smarana, meditation at the beginning in Bhajana Kriya and Anartha Nivritti is Smarana, in Nistha is Dharana, in Ruci is Dhyana, in Asakti is Anusmrti and in Bhava/Prema is Samadhi.
So, development is gradual with all Angas of Bhakti.  At the beginning not being very fixed and gradually enhancing the chanting, worship, remembrance, etc.
It is argued wrongly that only those who are pure can practice Smarana.
This makes no sense.
It is a fact, yes, that initially the meditation of Sadhaka is not completely transcendental. But it's not completely transcendental when the same Sadhaka engages in Kirtana and Arcana.
Is it therefore inappropriate to chant the Holy Names or worship the Deity while still tinged with material desires?
In fact this argument is quite offensive.
With this order of ideas no one could engage in the Angas of Bhakti like chanting, worship an remembrance before becoming a pure devotee.

segunda-feira, 18 de julho de 2016

"O mysterium fascinans domina o mysterium tremendum"


Foto: Śrī Śrī Rādhā-ramaṇa
Bhakti Rasa, Relacionamentos Pessoais na Transcendência por Śrīmān Lokasākṣi Dāsa (ACBSP)
"O mysterium fascinans domina o mysterium tremendum." 
"Haberman faz um paralelo entre a “habilidade de adoção de papéis para transformar a identidade e dessa forma levar o ator para o mundo desse papel” – descrita na análise detalhada feita pelo diretor e filósofo russo Constantin Stanislavski –, e o processo de construção ou despertar da identidade espiritual no Vaiṣṇavismo Gauḍīya (Haberman, 1988, p. 9)"
"Stanislavski confirma que a representação dramática é um meio poderoso de adoção de papéis, que conduz o ator para uma nova identidade e a um mundo concomitante a essa identidade. Quando se utiliza essas técnicas em um papel ‘último’, o resultado é profundo. Enquanto o ator do método busca identificação temporária em um papel, o aspirante religioso busca identificação permanente com um papel definido por um indivíduo paradigmático para o propósito da salvação. O vaiṣṇava gauḍīya [...] esforça-se para realizar o papel permanente no passatempo de Kṛṣṇa” (Haberman, 1988, p. 10)."
"O processo utilizado pelos vaiṣṇavas gauḍīyas para essa identificação recebe o nome de rāgānugā-bhakti-sādhana: nele os devotos praticantes se identificam e seguem os passos dos associados eternos de Kṛṣṇa, que são os indivíduos paradigmáticos do drama transcendental. Através dessa meditação ativa e performática, os praticantes restauram a pureza das emoções e sentimentos puros da alma em relação a Divindade."
Photo: Śrī Śrī Rādhā-ramaṇa
"The mysterium fascinans dominates mysterium tremendum."
"Haberman make a parallel between the "ability to adopt roles to transform the identity and thus bring the actor to the world of this role" - described in the detailed analysis made by russian director and philosopher Constantin Stanislavski - and the process of construction or awakening of spiritual identity in Gauḍīya Vaiṣṇavism (Haberman, 1988, p. 9)."
"Stanislavski confirms that the dramatic representation is a powerful way to adopt roles, leading the actor to a new identity and a concomitant world of that identity. When using these techniques in a "decisive" role, the result is profound. 
While the actor search for a temporary identification in a role, the religious aspirant seeks permanent identification with a role defined by a paradigmatic individual for the purpose of salvation. 
Gauḍīya Vaiṣṇava [...] strives to make the permanent role in Kṛṣṇa's pastime (Haberman, 1988, p. 10)."
"The process used by the Gauḍīya Vaiṣṇava to this identification is called Rāgānugā-bhakti-sādhana: in this process, practitioners devotees identify themselves and follow in the footsteps of the eternal associates of Kṛṣṇa, which are the paradigmatic individuals of the transcendental drama. 
Through this active and performative meditation, practitioners restore the purity of emotions and pure feelings of the soul related with Godhead."
(From Bhakti Rasa, Personal Relationships in Transcendence by Śrīmān Lokasākṣi Dāsa (ACBSP))

Deveres de um Devoto Raganuga Casado


Deveres de um Devoto Raganuga Casado
Esta é a reprodução de uma conversa com o Major Rana N. J. Bahadur, em Armadale, Darjeeling, no dia 14 de junho de 1935. Publicada originalmente na revista The Harmonist (Vol. XXXI, nº21) em 27 de junho de 1935.
Srila Bhaktisiddhanta Prabhupada viajava por Orissa com alguns dos seus discípulos. Certo dia, quando retornava do templo de Saksi Gopala, algumas pessoas no caminho pediam por esmolas aos homens casados que acompanhavam Srila Prabhupada, mas nenhum deles se prontificou a dar algo aos mendicantes. Ao perceber isso, Srila Prabhupada parou, sentou-se e começou a falar sobre os deveres dos homens casados. Durante a conversa, ele disse: "Se um homem casado pensa: 'Não devo dar nada do meu dinheiro aos pobres e necessitados, pois o considero reservado a Krsna’, na verdade, tal pessoa está demonstrando sintomas de avareza, crueldade e falta de compaixão pelos outros.
Os homens casados não devem considerar que fazer caridade aos pobres seja uma atividade fruitiva. Esse tipo de mentalidade acaba endurecendo o coração de tais indivíduos e eles se tornam dominados pela ganância. Como consequência, eles não desejam gastar seu dinheiro nem mesmo em o serviço devocional ao Senhor Supremo, que é a meta última da vida. Essa atitude é um convite para ofensas ao serviço.
Para nos resguardar desse tipo de concepção desonesta e pecaminosa, Sri Gaurasundara costumava dar dinheiro e coisas do gênero às pessoas pobres durante Seus passatempos como um homem casado. Se temos algum dinheiro, isso se dá unicamente pela graça do Senhor. Portanto, se dermos parte dele às pessoas pobres e mendicantes, isso não deve ser visto como desperdício, mas como uma aplicação correta do dinheiro. Servir Prasadam aos outros é uma obrigação de todos os Vaisnavas casados. Mesmo que essas pessoas tenham ficado pobres por Karma ou destino, ainda assim elas fazem parte da família do Senhor. Portanto, é definitivamente dever solene de todo homem casado e honesto ajudar tais pessoas.”
Duties of a Married Raganuga Devotee
(This is a reproduction of a conversation with Major Rana N. J. Bahadur at Armadale, Darjeeling on June 14th, 1935. It was originally published in The Harmonist (Vol. XXXI, No.21) on the 27th of June, 1935)
Srila Bhaktisiddhanta Prabhupada was traveling trough Orissa with his disciples. On one day as he was coming back from Saksi Gopal’s temple, some people on the way asked for alms from the married men who accompanied Srila Prabhupada, but none of them gave anything.
Srila Prabhupada, in seeing this, stopped, sat down and started to talk about the duties of married men.
During his chat he said:
“If married men think: ‘I must not give any of my money, which I consider reserved for Krsna, to the poor and deprived”, then they are really showing symptoms of wretchedness, cruelty and lack of compassion for others. They should not consider that giving charity to the poor is a fruitful activity. This kind of mentality shall make their hearts hard and they will suffer of greed. As a result of this they shall not want to spend their money, not even on the devotional service to the Supreme Lord, which is the ultimate goal in life. This will invite offenses in the service.
To save ourselves of this kind of deceit and sinful concept, Sri Gaurasundara used to give money and things like that to the poor people during His pastimes as a married man.
The money we have, we have only gotten by the Lord’s grace, if we give some of it to the mendicant poor people, then it is not a waste of money, rather it is its correct use. Serving Prasadam to others is the necessary duty of every married Vaisnava. Even if these people have turned to poor by karma or their destiny, even so, they are still a part of the Lord’s family.
Therefore it is definitively the solemn duty of every honest married man to help them."

"Sphurti nos estágios iniciais"


Foto: Banhoca de Govardhana Sila.
"Sphurti nos estágios iniciais"
1 - Quem está apto para Raganuga Sadhana Bhakti?
"O pré-requisito básico para a prática de Raganuga Bhakti é simplesmente um desejo genuíno (Lobha) por um modo de devoção semelhante ao de um dos residentes eternos de Vraja." 
(BRS 1.2.291)
"Em Raganuga Sadhana Bhakti, deve-se contemplar a forma específica de Krsna a qual o devoto sinta mais atracção, e o associado eterno específico cujos sentimentos o devoto mais deseje, ouvindo com carinho os passatempos. Ao fazer estas duas coisas, o devoto sempre vai morar em Vraja." 
(BRS 1.2.294)
2 - Em que fase desperta Lobha?
Em qualquer fase, especialmente em Bhajana Kriya (que é quando se ouve do Guru e Sadhus acerca das glórias do nome, forma, qualidades, associados e seus serviços e passatempos do Senhor como descritos no Srimad Bhagavatam) 
3 - "Vrajanatha: Quais são os sintomas de tal Lobha?
Babaji: Quando se ouve sobre os Bhavas intensamente doces dos Vrajavasis, a inteligência (buddhi-apeksa) começa a considerar como se pode entrar nestes relacionamentos amorosos. Este desejo (apeksa) é o sintoma que Lobha despertou. Tudo o que é necessário é a avidez pelos sentimentos dos Vrajavasis: "Quais são os Bhavas doces dos Vrajavasis direcionados a Krsna? É possível para mim obter tais Bhavas? Como isto pode ser obtido?" Este desejo intenso é o sintoma de avidez, e quem não tem tal avidez, não tem o Adhikara para Raganuga-bhakti. Você deve entender isto." (Jaiva Dharma)
Tika de Sri Jiva Goswami do Bhakti Rasamrita Sindhu (1.2.292): 
tat-tad-bhavadi-madhurye sri-bhagavatadisu siddha-nirdesa-sastresu srute sravana-dvara yat kimcid anubhute sati yac chastram vidhi-vakyam napeksate | yuktim ca, kintu pravartata evety arthah | tad eva lobhotpatter laksanam iti 
"Quando se tem uma ligeira experiência dos doces humores de Krsna e Seus devotos por ouvir tais descrições em textos que descrevem o objectivo espiritual final, como o Bhagavatam, (o Sadhaka) já não espera por injunções das escrituras ou por razões lógicas para fazê-lo, mas simplesmente aceita o caminho devocional Raganuga. Esta é a característica de Lobha."
Srila Visvanatha Cakravarti Thakura explica no seu Raga Vartma Candrika 1.5 como Lobha (avidez) se manifesta:
"Se, depois de ouvir a doçura dos sentimentos dos associados de Sri Krsna em Vraja Lila, conduzido por paixão amorosa, você pensa: "Que eu também possa atingir tais sentimentos."
Isto é Lobha. E Lobha é o marco inicial de Raganuga Sadhana Bhakti. 
4 - Qual a relação entre Lobha e a injunção dos Sastras?
"Quando Lobha aparece, ela não deve ser dependente da injunção dos Sastras e da razão. Se for assim, então ela não está completamente estabelecida (asiddhi)." (Raga-vartma-candrika 1.5)
Quando um devoto desperta esta Lobha sagrada (em qualquer fase mas especialmente Bhajana Kriya), isto é Lobha genuína. Não é Lobha teórica. Não é por injunção dos Sastras ou por imposição da lógica, ou seja, porque os Sastras advertem que Lobha é o marco inicial para iniciar o caminho de Raganuga, e que temos que fazer por esta obrigação dos Sastras. Não !!!
Alguém poderá erradamente argumentar assim: 
"Se você não tem experiência de como os associados, Gopas e Gopis, servem Sri Sri Radha Krsna, como você pode dizer que você realmente tem ambição por isto? Se você diz: "Eu li sobre isto no Sastra", então isto significa que sua avidez ainda não é independente do Sastra e da razão."
Mas este argumento é errado !!! 
É errado dizer que Lobha que desperta por ler e ouvir os passatempos é simplesmente teórica . É Lobha genuina. Será teórica e baseada nos Sastras e razão se o aspirante o faz por obrigação e imposição (porque todos estão a fazer, eu também tenho que fazer), e não por uma necessidade e anseio firmes por um relacionamento (Rasa) específico. 
Lobha genuina ocorre quando um devoto lê do Sastra e ouve do Guru e Sadhus. Quando se diz que Lobha é dependente do Sastra e razão, significa que um devoto tenta despertar Lobha por obrigação ou imposição do Sastra e não porque despertou um interesse forte e genuino. 
Não é que Lobha genuina só poderá se manifestar, quando o Sadhaka tiver um "Sphurti" dos Parikaras em Ruci. Não. O despertar de Lobha genuina poderá ocorrer em qualquer fase desde que haja uma necessidade e anseio firmes por um relacionamento (Rasa) específico. 
Em Bhajana Kriya e Anartha-nivrtti, ao ouvir os passatempos (como descritos no Srimad Bhagavatam) directamente do Guru e Sadhu, tal Lobha genuina desperta como uma necessidade e anseio por um relacionamento (Rasa) específico na mesma proporção em que há purificação. 
E devido a esta necessidade e anseio inadiáveis que constituem o surgimento de autêntica Lobha, se faz necessário a especificação do Ekadas Bhava, ou os 11 Bhavas do Siddha Deha.
Com o despertar desta Lobha, o devoto, em companhia do Guru (Diksa e ou Siksa) constrói e familiariza-se com os componentes de seu Ekadas Bhava. E almeja servir na Lila. Só almeja. Smarana nesta fase se resume a construir os compoentes do seu Siddha Deha. Nesta fase é simplesmente Smarana destes componentes. 
A medida que avança, Lobha genuina intensifica e a lembrança do Siddha Deha passa a ser Dharana em Nistha, Dhyana em Ruci, Anusmrti em Asakti e Samadhi em Bhava e Prema.
De salientar que embora Mantramayi Upasana ou Yoga Pitha Seva ocorra efectivamente em Asakti (quando a meditação é Anusmrti), em etapas anteriores o Sadhaka poderá e deverá familiarizar-se com o cenário da Lila em conjunto com seu Siddha Deha e de acordo com a sua capacidade de meditação (Smarana em Bhajana Kriya, Dharana em Nistha e Dhyana em Ruci).
5 - Em relação a Krama de Nama, Rupa, Guna, Parikara, Seva e Lila. 
Sphurti de Nama e Rupa em Nistha. 
Sphurti de Guna, Parikara e Seva em Ruci.
Sphurti de Lila (Mantramayi) em Asakti.
Sphurti de Lila (Svarasiki) em Bhava.
Convém salientar que quando se diz que, em fases iniciais, é necessário ter um Sphurti da anterior para seguir a posterior, Sphurti aqui indica simplesmente a manifestação de uma necessidade.
Por exemplo, aqui Sphurti de Rupa em Nistha não significa que a forma de Krsna aparece para o devoto em Nistha. Mas simplesmente que surge a necessidade de unir Nama com Rupa e assim sucessivamente.
Photo: Govardhana Sila's bathing.
"Sphurti in early stages."
1 - Who is fit for Raganuga Sadhana Bhakti?
"The basic prerequisite for the practice of Raganuga Bhakti is simply a genuine desire (Lobha) by a devotion similar to one of the eternal residents of Vraja."
(BRS 1.2.291)
"In Raganuga Sadhana Bhakti, the devotee should consider the specific form of Krsna which he feels more attraction, and the specific eternal associate whose feelings he wishes, listening the pastimes with care. By doing these two things, the devotee always will live in Vraja. "
(BRS 1.2.294)
2 - At what stage awakens Lobha?
At any stage, especially in Bhajana Kriya (which is when the devotee hears the Guru and Sadhus about the glories of the name, form, qualities, associates and their services and pastimes of the Lord as described in Srimad Bhagavatam)
3 - "Vrajanatha: What are the symptoms of such Lobha?
Babaji: When one hears about the intensely sweet Bhavas of the Vraja-vasis, one’s intelligence (Buddhi-apeksa) begins to consider how one may enter into those dealings. That desire (Apeksa) is the symptom that Lobha has awakened.
All that is needed is the greed for the sentiments of the Vraja-vasis: “What are the sweet Bhavas of the Vraja-vasis towards Krsna? Is it possible for me to obtain such Bhavas? How can this be obtained?” This intense yearning is the symptom of greed, and one who does not have it does not have the Adhikara for Raganuga-bhakti. This you should understand." (Jaiva Dharma)
Sri Jiva Gosvami's Tika Bhakti Rasamrita Sindhu (1.2.292):
tat-tad-bhavadi-madhurye sri-bhagavatadisu siddha-nirdesa-sastresu srute sravana-dvara yat kimcid anubhute sati yac chastram vidhi-vakyam napeksate | yuktim ca, kintu pravartata evety arthah | tad eva lobhotpatter laksanam iti
"When one has got even a slight feeling for the sweet moods of Krsna and His devotees through hearing their descriptions in texts describing the ultimate spiritual goal, such as the Srimad Bhagavatam, [the Raganuga Sadhaka] no longer waits for the injunctions of scripture or for logical reasons to do so, but simply takes up [the Raganuga devotional path]. This is the characteristic of Lobha."
Srila Visvanatha Cakravarti Thakura explains in his Raga Vartma Vandrika 1.5 how Lobha (greed) is manifested:
"If, after hearing the sweetness of the feelings of the members of Sri Krsna in Vraja Lila, led by amorous passion, you think: "That I can also achieve such feelings."
This is Lobha. And Lobha is the starting point of Raganuga Sadhana Bhakti.
4 - What is the relationship between Lobha and the injunction of the Sastras?
"When Lobha appears, it should not be dependent on Sastric injunction and reasoning. If it is, then it is incompletely established (Asiddhi).” (Raga-vartma-candrika 1.5)
When a devotee awakens this sacred Lobha (at any stage but especially in Bhajana Kriya), that is genuine Lobha. Not just theoretical Lobha. It is not by injunction of the Sastras or imposition of logic, that is, because the Sastras warn that Lobha is the starting point to begin the path of Raganuga, and we have to do for this obligation of the Sastras. No !!!
One might mistakenly argue thus:
== If you have no experience of how the Manjaris are serving Sri Sri Radha-Krsna, how can you say that you really have greed for it? If you say, “I have read about it in Sastra” then that means that your greed is still not independent from Sastra and reasoning. ==
But this argument is wrong !!!
It is wrong to say that Lobha awakening by reading and hearing the pastimes is simply theoretical. It's genuine Lobha. It would be theoretical and based on Sastras and reason if the aspirant would do it as an obligation and enforcement (because everyone is doing, I also have to do), and not by a need and strong desire for a specific relationship (Rasa).
Genuine Lobha occurs when a devotee reads Sastra and hear the Guru and Sadhus. When it is said that Lobha is dependent on the Sastra and reason, it means that a devotee tries to awaken Lobha by obligation or imposition of Sastra and not because aroused a strong and genuine interest.
Not that genuine Lobha can only manifest when the Sadhaka have a "Sphurti" of Parikaras in Ruci. No. Genuine Lobha may occur at any stage since there is a need and strong desire for a specific relationship (Rasa).
In Bhajana Kriya and Anartha Nivrtti, by hearing the pastimes (as described in Srimad Bhagavatam) directly from the Guru and Sadhus, such genuine Lobha awakens as a need and desire for a specific relationship (Rasa) in the same proportion in which there is purification.
And because of this need and urgent desire that constitute the emergence of authentic Lobha, the specification of Ekadas Bhava is necessary, or the11 Bhavas of the Siddha Deha.
In the wake of this Lobha, the devotee in Guru's company (Diksa or Siksa) "builds and become familiar with the components of his Ekadas Bhava. And aims to serve in Lila. Only crave. Smarana at this stage is only to "build" the compoentes of the Siddha Deha. This stage is simply Smarana of these components.
As the Sadhaka progress, genuine Lobha intensifies and the remembrance of Siddha Deha becomes Dharana in Nistha, Dhyana in Ruci, Anusmrti in Asakti and Samadhi in Bhava and Prema.
Note that although Mantramayi Upasana or Yoga Pitha Seva actually occurs in Asakti (when meditation is Anusmrti) in previous stages the Sadhaka can and should become familiar with the scenario of Lila together with his/her Siddha Deha and according to his/her meditation capacity (Smarana in Bhajana Kriya, Dharana in Nistha and Dhyana in Ruci).
5 - For Krama of Nama, Rupa, Guna, Parikara, Seva and Lila.
Sphurti of Nama and Rupa in Nistha.
Sphurti of Guna, Parikara and Seva in Ruci.
Sphurti of Lila (Mantramayi) in Asakti.
Sphurti of Lila (Svarasiki) in Bhava.
It should be noted that when it is said that in the early stages, you must have a Sphurti of the previous to follow the next, Sphurti here simply indicates the manifestation of a need.
For example, here Sphurti of Rupa in Nistha does not mean that the form of Krsna appears to the devotee in Nistha. But simply that there is a need to unite Nama with Rupa and so on.
‹Antigas