terça-feira, 7 de junho de 2016

A Alma não cai do Mundo Espiritual !!! - Vedanta Sutra


A Alma não cai do Mundo Espiritual !!!
No último Capítulo, último Pada, último Adhikarana, último Sutra do Vedanta Sutra, o autor (Srila Vyasadeva) e o comentador (Vedanta Acarya Srila Baladeva Vidyabhusana) explicam.
A Alma não cai do Mundo Espiritual !!!
Foto: Amanhecer em Vrndavana.
Capítulo 4 Pada 4 Adhikarana 11
A alma liberada não retorna
Introdução pelo Vedanta Acarya Srila Baladeva Vidyabhusana
"Agora será explicada a verdade de que a alma liberada, eternamente, tem a associação da Suprema Personalidade de Deus.
Visaya (o assunto a ser discutido): Todas as declarações escriturais que descrevem a entrada da alma no reino espiritual do Senhor Supremo serão aqui objecto de discussão.
Samsaya (dúvida): Será que a alma liberada permanece no mundo espiritual eternamente ou não fica lá eternamente?
Purvapaksa (o adversário fala): O mundo espiritual é um lugar como Svargaloka ou qualquer outro lugar. Assim como alguém pode cair de Svargaloka, também pode cair do mundo espiritual. Portanto, a alma liberada, não necessariamente permanece no mundo espiritual eternamente.
Siddhanta (conclusão): Nas seguintes palavras, o autor (Vyasadeva) dos Sutras dá sua conclusão.
Sutra 22
anavrttih sabdad anavrttih sabdat
an - sem; avrttih - retorna; sabdat - por causa das escrituras
"Sem retorno, por causa das escrituras. Sem retorno, por causa das escrituras."
Significado pelo Vedanta Acarya Srila Baladeva Vidyabhusana
Um devoto que fielmente adora e serve o Senhor Supremo e, em seguida, vai para o mundo espiritual do Senhor, nunca retorna. 
Como isto é comprovado?
O Sutra explica, "sabdat" (por causa das escrituras).
Na Candogya Upanisad (4.15.6) é dito:
etena pratipadyamana imam manavam avartam navartante
"Aqueles que entram no mundo espiritual nunca mais voltam para o mundo dos homens."
Na Candogya Upanisad (4.15.1), é dito:
sa khalv eva vartayan yavad ayusam brahmalokam abhisampadyate. na ca punar avartate
"Deixando esta vida, ele entra no mundo espiritual e nunca retorna."
Na Bhagavad-gita (8.15) o Senhor Krsna declara:
mam upetya punar janma
duhkhalayam asasvatam
napnuvanti mahatmanah
samsiddhim paramam gatah
"Depois de alcançarem-Me, as grandes almas, nunca mais retornam a este mundo temporário, que é cheio de misérias, porque atingiram a mais alta perfeição."
Na Bhagavad-gita (8.16) o Senhor Krsna também declara:
a-brahma-bhuvanal lokah
punar avartino 'rjuna
mam upetya tu kaunteya
punar janma na vidyate
"Partindo do planeta mais elevado no mundo material e descendo ao mais baixo, todos são lugares de miséria, onde ocorrem repetidos nascimentos e mortes. Mas quem toma refúgio em Mim, ó filho de Kunti, jamais volta a nascer."
Aqui, alguém pode expressar o seguinte receio: o Senhor Hari é todo-poderoso, o mestre de todos, talvez em algum ponto no tempo Ele possa tirar a alma liberada fora do mundo espiritual. Ou talvez a alma liberada possa, em algum momento voluntariamente deixar o mundo espiritual.
Não há necessidade de temer desta forma, pois o Senhor Krsna explicou na Bhagavad-gita (7.17):
priyo hi jnanino tv artham
aham sa ca mama priyah
"Destes, aquele que tem conhecimento pleno e está sempre ocupado em serviço devocional puro é o melhor. Pois Eu lhe sou muito querido, e ele é querido por Mim."
O Senhor Krsna também declara no Srimad Bhagavatam (9.4.68):
sadhavo hrdayam mahyam
sadhunam hrdayam tv aham
"O devoto puro está sempre no âmago do Meu coração, e Eu estou sempre no coração do devoto puro. Meus devotos não conhecem nada mais além de Mim, e Eu não conheço ninguém mais além deles."
Nestas palavras é descrito o amor mútuo do Senhor e Seu devoto.
No Srimad-Bhagavatam (9.4.65) o Senhor Krsna declara:
ye daragara-putraptan
pranan vittam imam param
hitva mam saranam yatah
katham tams tyaktum utsahe
"Desde que os devotos dedicados deixam suas casas, cônjuge, filhos, parentes, riquezas e até mesmo suas vidas, simplesmente para servir-Me, sem qualquer melhoria material nesta vida ou na próxima, como posso a qualquer momento desistir de tais devotos?" 
No Srimad-Bhagavatam (2.8.6) também é dito:
dhautatma purusah krsna-
pada-mulam na muncati
mukta-sarva-pariklesah
panthah sva-saranam yatha
"Um devoto dedicado do Senhor cujo coração tenha sido purificado pelo processo do serviço devocional não abandona os pés de lótus do Senhor Krsna, pois eles (os pés do Senhor) totalmente satisfazem-no (o devoto), assim como um viajante fica satisfeito em sua casa depois de uma viagem conturbada."
Desta forma, as escrituras explicam que a Suprema Personalidade de Deus nunca vai abandonar Seu devoto e o devoto vai sempre ardentemente amar a Suprema Personalidade de Deus. 
A Pessoa Suprema é sempre sincera e Seus desejos são sempre satisfeitos e cumpridos. Ele é um oceano de amor por aqueles que refugiam-se nEle. Ele limpa a ignorância que faria Seus devotos afastarem-se dEle. Uma vez que Ele traga para Si Seus queridos devotos, que são Suas partes e parcelas, a Suprema Personalidade de Deus não vai novamente deixá-los ir.
Da mesma forma a alma individual, que esteve buscando felicidade e que finalmente afastou-se do reflexo de uma felicidade patética e miserável, que buscou de muitas formas por muitos nascimentos no mundo material, e que agora, pela misericórdia do mestre espiritual autêntico entendeu a verdade acerca da Suprema Personalidade de Deus, de quem ela é uma parte e parcela, que agora não tem nenhum desejo além do Senhor Supremo, que está agora puramente envolvida em serviço devocional ao Senhor Supremo, que agora atingiu o Senhor Supremo, cuja forma espiritual é preenchida com ilimitada felicidade e bem-aventurança, e que é o amigo misericordioso e mestre, nunca vai desejar deixar tal Senhor. 
Desta forma, a verdade é entendida a partir das escrituras. Esta verdade é entendida apenas por abrigar-se nas escrituras. As palavras do Sutra são repetidas para indicar a conclusão do livro."
Irmãos e Irmãs ... podem "tirar o cavalinho da chuva" que eu não entro neste "debate" de que se a alma caiu ou não caiu e tã tã tã.
Já entrei neste "debate" dezenas e dezenas de vezes, Já sei todos os argumentos de um lado e do outro. 
O argumento aqui é que a alma que vai para o mundo espiritual não retorna ... mas antes ela caiu de lá. Sim senhor !!!
A sequência é: Mas como caiu a primeira vez? Ah, por simples curiosidade (quando diz que a alma não é plena como Krsna, não quer dizer que é uma "tapada" completa para ser capaz de sentir esta "curiosidade"). E agora que aprendeu a lição não cai mais nem retorna para o mundo material. Quem quiser acreditar nisso, boa SORTE !!! 
Não, não, não comentários fechados para mim. Vocês podem continuar a divertir-se.
"mas em algum momento caiu como o sr expôs acima"... não, eu não disse isso. eu disse que alguns dizem isso. eu não digo isso. o que eu digo é que não caiu do mundo espiritual.
"ela cai e não cai" ...... e lá vamos nós com todos os argumentos conhecidos. "ela cai e não cai", ou seja está a ter um sonho mau no mundo espiritual ...............aaaaaah não !!!
E é só analisar as palavras de Srila Baladeva Vidyabhusana no Adhikarana. 
"Ele (Krsna) limpa a ignorância que faria Seus devotos afastarem-se dEle."
Se alguém quiser argumentar que a primeira vez a alma caiu por curiosidade. Esta alma estaria protegida por Krsna desta mesma forma: "Ele (Krsna) limpa a ignorância que faria Seus devotos afastarem-se dEle."
E boa noite pro golero !!!
Da onde ela veio ......... não sabemos. Mas sabemos com toda a certeza de onde ela não veio.

1 - Não, NÃO caiu.

2 - Viemos todos de Krsna.

Com este último comentário, simplesmente vou dar minha visão do tópico.

É exclusivamente pessoal !!! 

"No mundo espiritual, o Senhor Supremo tem formas espirituais ilimitadas, todas são expansões de Si mesmo iluminando este mundo. Com cada uma destas formas, o Senhor desfruta de passatempos com uma única alma liberada individual." (Priti Sandarbha -10)

Estas almas liberadas, portanto, têm corpos espirituais como o do Senhor.

Na morada do Senhor, há um número ilimitado de formas, todas adequadas para a prestação de serviço a Ele. Cada uma destas formas não são diferentes dEle, sendo expansões do Seu esplendor; cada uma é eterna, plena de consciência e bem-aventurança. Elas são a coroa, as jóias centrais do mundo espiritual, a própria vida do mundo espiritual. 
Estes corpos espirituais ilimitados são as formas perfeitas das almas liberadas que são concedidos a um indivíduo, de acordo com o seu gosto, quando ele atinge o estado de liberação absoluta. 

Este estado é chamado de realização do corpo espiritual (Svarupa-siddhi).

Todos estes corpos espirituais são eternos porque eles existem mesmo antes das almas liberadas entrarem neles e continuarão a existir depois. 

No entanto, antes da entrada da alma liberada, estes corpos espirituais estão na nossa perspectiva - em "estado estagnado".

Como todas as almas ilimitadas são servas do Senhor, cada uma delas tem um corpo espiritual na morada do Senhor adequado para prestar serviço ao Senhor. 

Quando um indivíduo torna-se qualificado para o serviço directo ao Senhor pela graça de Bhakti Devi, então o Senhor Supremo agracia-o com um corpo espiritual. A Baddha torna-se Baddha Mukta.

E assim, é a nossa consciência de serviço que "aviva" aquela forma.

A forma é como uma roupa muito bela que Krsna da à alma liberada. Uma roupa "feita de um nível superior de Bhava espiritual"

Agora somos forçados a perguntar:

1) Como podem haver corpos espirituais para nós antes de entrarmos neles?

2) Como eles podem estar lá e ficarem "estagnados" (não existe nada estagnado no mundo espiritual)?

3) Agora que estamos aqui, e eles estão lá ... o que eles estão a fazer neste meio tempo?

Mas temos que entender uma coisa: Estas perguntas são originárias de uma mente material condicionada. 

Somos forçados a pensar, sentir e experimentar em um tempo-espaço-continuum. Um eterno presente.

Estamos a falar sobre o mundo espiritual, a parte mais interna da criação de Sri Krsna. O reino mais alto do Amor Divino. Goloka Vrindavana. Nossas perguntas estão condenadas ao fracasso.

Nós só poderemos entender estes "assuntos", quando nossa consciência estiver totalmente purificada (Suddha-sattva).

Quando nossos corações estiverem cheios com a potência interna do Senhor (Svarupa-sakti), poderemos compreender e perceber estas coisas.

E pensar que estas formas espirituais já estão lá e ... "espera um pouco", o que elas estão a fazer "neste meio tempo?" ... a mente morde o seu próprio rabo !!! 

Não há "neste meio tempo". 

Lá, em Goloka Vrindavana, só há um eterno agora.

Então precisamos de metáforas como as formas "estão estagnadas", ou então nós "aviva-mo-las com nosso Bhava espiritual".

Estas formas não estão "estagnadas" nunca. Estão sempre a servir. Estão "estagnadas" na nossa perspectiva.

Krsna é Tri-kala-jna, conhece presente, passado e futuro. Ele, antes de nós mesmos, já sabe como iremos escolher servi-Lo.

Isto tudo é inconcebível. 

A verdadeira alquimia ocorre quando nos sentimos plenamente identificados com estas formas e fazemos o nosso serviço ao Casal Divino com o nosso Siddha-deha. 

Vislumbres de nosso Siddha-deha (cultivado em fases preliminares) podem ser experimentados na fase avançada de Asakti.

E portanto a alma (Baddha) não cai do mundo espiritual porque há uma forma espiritual destinada para ela lá, e esta forma está a actuar lá neste exacto momento. 

A alma nunca esteve numa relação prévia com Krsna e "caiu" desta relação lá. 

Aonde a Jiva cai é neste mundo material, vida após vida por afastar-se de Krsna, Sua Lila e Sua morada. Uma vez no mundo espiritual não cai mais.

Só neste sentido é que podemos dizer que existe algo "inerente" ou em forma de semente.