sábado, 23 de abril de 2016

Aula Rama Navami - Lisboa 2016

Aula Rama Navami - Lisboa 2016

om ajnana-timirandhasya jnananjana-salakaya caksur unmilitam yena tasmai sri-gurave namah

Estavamos na mais escura região da ignorância e nossos mestres espirituais abriram nossos olhos com o archote do conhecimento. A eles ofereçamos nossas mais humildes e respeitosas reverências.

sri-caitanya-mano-'bhistam sthapitam yena bhu-tale
svayam rupah kada mahyaṁ dadati sva-padantikam

Quando Srila Rupa Gosvami Prabhupada, que estabeleceu neste mundo material a missão para satisfazer o desejo do Senhor Caitanya, nos dará refúgio sob seus pés de lótus?

he krishna karuna-sindho dina-bandho jagat-pate
gopesa gopika-kanta radha-kanta namo ’stu te

Ofereçamos nossas respeitosas reverências a nosso querido Krsna, Ele é o amigo dos aflitos e a fonte da criação. É o senhor das Gopis e o amante de Radharani.

tapta-kancana-gaurangi radhe vrindavanesvari
vrishabhanu-sute devi pranamami hari-priye

Ofereçamos nossos respeitos a Radharani, cuja compleição corpórea é como ouro fundido e que é a Rainha de Vrndavana. Ela é a filha do Rei Vrishabhanu, e é muito querida pelo Senhor Krsna.

namo maha-vadanyaya krishna-prema-pradaya te
krishnaya krishna-caitanya-namne gaura-tvishe namah

Ofereçamos nossas respeitosas reverências a Gauranga Mahaprabhu, a encarnação mais misericordiosa, Ele é o próprio Krsna que aparece como Sri Krsna Caitanya Mahaprabhu. Assume a compleição dourada de Srimati Radharani, e distribui amplamente o amor puro por Krsna.

vandamahe maha-isanam hara kodanda
khandanam janaki hrdaya ananda
candanam raghu nandanam

Ofereçamos nossas respeitosas reverências ao Senhor Ramacandra, a Personalidade de Deus, o qual partiu o arco de Siva e que dá muita satisfação a Raghu Maharaja. Ele é a pasta de sândalo que deleita o coração de Sita Devi.

Sri Rama Navani Maha Mahotsava Ki Jaya !!!

Então comemoramos o aparecimento da Pessoa Suprema na forma do Senhor Ramacandra. Foi na Sexta Feira passada, dia 15. E hoje, com a permissão dos Vaisnavas, vamos tentar elaborar alguma coisa.
É Navami porque o aparecimento acontece no nono dia da Lua.

Explica Sad-bhuja. O Porque desta forma. Porque Ramacandra, Krsna e Caitanya são os mais misericordiosos.

O Senhor Caitanya é muito misericorioso pois esta a distribuir Krsna Prema livremente para todos os habitantes de Kali Yuga.

O Senhor Rama é muito misericordioso pois aceita serviço até de animaizinhos. O exemplo do esquilo. Os esquilos tem 3 riscas porque o Senhor Rama passou Seus 3 dedos nas costas dos esquilos que ajudaram a construir a ponte para Lanka. Qualquer serviço, pequeno ou grande é importante. Não devemos julgar que um devoto faz um grande serviço e outro devoto um pequeno serviço. Todos são importantes. Os grãos de areia dos esquilos ajudaram a tapar as arestas das grandes pedras de Hanuman.

Krsna é muito misericordioso pois diz: Uma flor, uma folha, uma fruta, água. Qualquer pessoa, mesmo sem posses pode servi-Lo.

Um trecho da aula de A.C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada realizada no Havaí, em 27 de março de 1969:

"ramadi murtisu kala-niyamena tisthan
nanavataram akarod bhuvanesu kintu
krsnah svayam samabhavat paramah puman yo
govindam adi-purusam tam aham bhajami
(Brahma-samhita 5.39)

Este é um verso do Brahma-samhita, no qual a encarnação do Senhor Ramacandra é descrita: Ramadi. Não há apenas Rama, senão que há muitas outras inumeráveis encarnações, as quais são comparadas às ondas de um rio. 

Assim como as ondas de um rio ou as ondas de um oceano não podem ser contadas, é impossível dizer quantas são as encarnações do Senhor Supremo. O Senhor Ramacandra, por exemplo, apareceu neste planeta milhões de anos atrás, em Treta-yuga. Passamos apenas cinco mil anos desta era, Kali-yuga, antes da qual houve Dvapara-yuga, que dura oitocentos mil anos. E, antes de Dvapara-yuga, houve Treta-yuga, que dura um milhão e duzentos mil anos. Isto significa que o Senhor Ramacandra apareceu neste planeta há pelo menos dois milhões de anos, mas Ele continua a existir.

O Senhor Ramacandra apareceu em Ayodhya, um lugar no norte da Índia.

Seu pai era o rei de Ayodhya, e ele tinha duas esposas. Das duas esposas, ele obteve quatro filhos (Rama, Laksmana, Bharata e Satrugna), dos quais Ramacandra é o filho mais velho. A vida e as actividades do Senhor Ramacandra estão registadas em um livro chamado Ramayana. (Só o Ramayana de Valmiki)

A trama do Ramayana é que o pai de Ramacandra, chamado Maharaja Dasharatha, queria aposentar-se, para o que decidiu entronar o Senhor Ramacandra. Assim, tudo estava estabelecido, mas, apenas um dia antes de entroná-lO, a esposa mais nova dele mudou o rumo de tudo.

Então, apenas um dia antes da coroação do Senhor Ramacandra, Sharmistha (Kaikeyi) aproximou-se de seu esposo (influenciada por Mantara - temos que ter muito cuidado com o que ouvimos (boatos)), Maharaja Dasharatha, e o lembrou: “Meu querido esposo, prometeste-me uma bênção, e eu disse a ti que eu a pediria quando necessitasse”. “Sim, eu me lembro”, disse Maharaja Dasharatha. “Queres a bênção agora?”. “Sim”. “E qual é a bênção que desejas?”. “Ramacandra não deve ser entronado, mas sim Bharata, meu filho”. Ele ficou surpreso com aquele grande pedido, mas disse: “Tudo bem. Será feita a coroação de teu filho”.

Assim, Maharaja Dasharatha concordou e chamou afetuosamente por Ramacandra, a quem explicou os pedidos de Sharmistha. Porque era muito diplomática, ela queria que Ramacandra fosse para a floresta e lá permanecesse por quatorze anos a contar daquele dia. A mentalidade por trás do pedido era política: “O rei talvez concorde em instalar meu filho prontamente, mas, após alguns poucos anos, Ramacandra talvez venha com Seu exército e talvez haja alguma dificuldade em continuar o reinado”. Maharaja Dasharatha consentiu, pois ele era kshatriya. Apenas vejam a seriedade de uma promessa. Um kshatriya jamais volta atrás em sua promessa ...

O Senhor Ramacandra apareceu neste mundo a fim de educar-nos estabelecendo o exemplo ideal de como um rei deve ser. Quando há bom governo, todos são felizes, e o exemplo é o rama-rajya, o reino do Senhor Rama.

Assim, caso ouçamos os passatempos da vida de Ramacandra, as actividades de Deus, estamos na companhia de Ramacandra, pois não há diferença entre Sua forma, Seu nome, Seus passatempos e Ele mesmo, haja vista que Ele é absoluto. Assim, aproveitamos estes dias quando a encarnação de Deus aparece ou desaparece e tentamos ficar em Sua companhia. Pela Sua companhia, purificamo-nos, o que é o nosso processo."

O Senhor Krsna é conhecido como Lila Purusottama porque Ele exibe maravilhosas actividades. O Senhor Rama é conhecido como Maryada Purusottama porque Ele exibe a própria perfeição de Maryada (Princípios de etiqueta e conduta moral religiosa).

Embora nós não possamos imitar muitas das acções do Senhor Krsna, nós podemos tentar imitar o comportamento de Rama.
Mas atenção, isto não quer dizer que as actividades de Krsna são imorais.

As actividades de Krsna são obviamente "morais", só que necessitam de um entendimento mais aprofundado. Não entraremos em detalhes aqui.

Srila Bhaktisiddhanta escreveu um artigo intitulado "O Princípio Erótico e a Devoção Pura" onde diz:

"O grande erudito falecido Dr. Bhadarkar errou ao expressar que a adoração a Rama tem mais representação ética que a de Sri Krsna especialmente em relação aos tratos amorosos deste último. Por isto não é de estranhar que os observadores ocidentais naturalmente aprovem esta opinião errada quando tratam de assuntos éticos do teísmo oriental...."

O Senhor Rama mostra perfeito Dharma em sua vida, Seus opositores, como Ravana exibem Adharma, e as suas actividades revelam o modo como Ele e outros foram capazes de praticar o Dharma nas mais variadas circunstâncias.

Rama é o rei ideal, pai, filho, amigo, irmão e marido. Mesmo que estes relacionamentos, a partir da perspectiva do Srimad Bhagavatam, sejam "temporários" ainda temos de fazê-los corretamente, pois caso contrário, o resultado é o caos na nossa própria vida e na sociedade. E Rama com Seu exemplo, mostra que nós também devemos ser administradores, pai (mãe), filho(a), amigo(a), irmão e irmã e marido e espôsa ideais.

Então, o próprio Deus vem para mostrar como fazê-lo.
------------------------------------------------------------------------
1 - O "Sri Navadvipa Dhama Mahatmya" de Srila Bhaktivinoda Thakur descreve como em Navadvipa, mais especificamente em Modadrumadvipa, o Senhor Ramacandra previu para Sita Devi o Seu aparecimento como Sri Caitanya Mahaprabhu.

Também em Modadrumadvipa, o Senhor Caitanya relembrou Seus passatempos quando Ele visitou este local com Srimati Sita Devi em Treta Yuga.

Ou seja, em Modadrumadvipa, o Senhor Caitanya relembra Seus passatempos neste local como Sri Rama, e o Senhor Ramacandra preve seu aparecimento como Sri Caitanya.
Gaura Premananda Hari Haribol !!!

2 - O Senhor Caitanya costuma vestir-se como um Bhakta de Sri Rama, como Hanuman, e executa o passatempo de conquista de Sri Lanka (Lanka Vijaya) em Jagannatha Puri.
Pede para Murari Gupta compor e recitar o famoso Srila Ramastaka e desfruta imenso disto.

Inclusivamente mostra Sua forma como Sri Rama para Murari Gupta.

Assim o próprio Senhor Caitanya absorve-se no humor de um Rama Bhakta.

3 - Ser um Rama Bhakta é uma posição muito exaltada.
Devemos glorificar Bhakti de todos os associados não importando se estão em Goloka, Dvaraka, Ayodhya ou nos planetas Vaikuntha.

Tomemos como exemplo o amor (Bhakti) de Hanuman por Sri Sri Sita Rama.

Quão exaltado é este amor?

Na verdade Hanuman representa a perfeição do serviço devocional em Dasya Rasa.

O amor reverencial intenso (Aisvarya Prema Bhakti) de Hanuman e todos os habitantes de Ayodhya por Sri Sri Sita Rama, inspira, instrui e emociona mesmo os Krsna Bhaktas.
Todas as formas de Krsna devem ser respeitadas ainda que o nosso humor (Rasa) incline-se em direcção à Sri Sri Gaura Nitai e Sri Sri Radha Krsna.

A menos que respeitemos e adoremos todas as formas primárias de Krsna, não alcançaremos a misericórdia do próprio Senhor Caitanya.

4 - Podemos ver que Caitanya Mahaprabhu ensinou Krsna Bhakti e, em alguns casos, a tal extremo que ele converteu Rama Bhaktas em Krsna Bhaktas. No entanto, nem sempre era esse o caso.

5 - Dedicação exclusiva de Murari Gupta a Rama:
"Mahaprabhu ensinou o princípio da devoção a Deidade adorável através de Murari Gupta.
***** Não se pode avançar em serviço devocional sem uma devoção particular a uma Deidade adorável, ou Ishta-devata. ******

(Citação extremamente importante. Ah, mas eu gosto de Visnu Lila, Ah mas eu gosto de Rama Lila, Ah mas eu gosto de Nrsima Lila ....... Enquanto o devoto(a) não especificar sua relação de uma forma particular, terá que aceitar um novo nascimento neste mundo material)

Murari era uma encarnação de Hanuman, e ele via Caitanya Mahaprabhu como Ramacandra. Em uma ocasião, Mahaprabhu desejou testar a lealdade de Murari à sua Deidade adorável Rama, dizendo-lhe para adorar Krsna.

Murari prometeu a Mahaprabhu que ele iria fazer o que Ele aconselhou e adorar Krsna, mas quando ele voltou para sua casa, ele não pode abandonar os pés de lótus de Ramacandra.

Ele ficou muito chateado e ficou acordado toda a noite. Na parte da manhã, ele foi ter com Mahaprabhu e caiu a Seus pés com lágrimas nos olhos. Ele humildemente submeteu ao Senhor: "Eu vendi minha cabeça para Ramacandra. Eu não posso removê-la de Seus pés, pois assim que eu tento, isto me causa grande dor. Eu não posso abandonar os pés de lótus de Raghunatha, mesmo que isso signifique desobedecer-Lhe. O que eu posso fazer? Ó misericordioso, por favor, permita que eu abandone minha vida aqui perante Você em vez de sofrer esse destino." (Caitanya Caritamrita 2.15.149-151)

"Ambos Narayana, o espôso de Laksmi, e Ramacandra, o espôso de Sita são igualmente a Suprema Personalidade de Deus. Mesmo assim, Rama de olhos de lótus é tudo para mim."

Mahaprabhu ficou muito satisfeito ao ouvir esta atitude devocional exclusiva à Deidade adorável. Ele disse: "Você é o próprio Hanuman, o servo eterno de Ramacandra. Na verdade, por que você deveria desistir de adorar Seus pés?"
O pai de Sri Jiva Gosvami, Anupama foi igualmente dedicado a Rama.

Mahaprabhu comparou-o a Murari quando Sanatana disse a ele que Anupama não era capaz de desistir de adorar Rama apesar das exortações de seus irmãos.

Mahaprabhu disse: "Antes, eu testei Murari Gupta e também percebi da mesma forma que ele era muito dedicado a Rama. O devoto que não abandona os pés de lótus de sua Deidade adorável é verdadeiramente glorioso. Glorioso também é o Senhor que não abandona Seu devoto." (Caitanya Caritamrita 3.4.45-46)

Da mesma forma um Krsna Bhakta não se inclinará para Rama Lila. Brhad Bhagavatamrta. Gopa Kumara.
265 - "Sri Gopa-kumara continuou (estava em Ayodhya):
Então, por ordem do Senhor, Sri Hanumanji aproximou-se de mim. Ele levantou-me e levou-me a força ao estrado em que Sri Bhagavan estava descansando Seus pés de lótus.

Então, na minha mente eu considerei: "Hoje, o meu de desejo de longa data finalmente obteve os seus frutos." Eu senti que tinha recebido algo muito além dos meus sonhos, algo que eu não tinha encontrado em qualquer lugar, até aquele dia.

Ainda vestido como um menino vaqueiro, eu residi em Ayodhya durante algum tempo, absorto em êxtase completo.

Em Ayodhya, vi Sri Raghunathaji realizando passatempos de realeza condizente com um grande imperador, rei de reis exaltados. Eu também vi Sua adesão estrita a conduta religiosa.

Em Ayodhya, eu nunca experimentei as variedades de doces passatempos aos pés de lótus de meu adorado Senhor, nem nunca recebi a Sua misericórdia na forma de Seus abraços, beijos, e assim por diante.

Assim, em Ayodhya, eu senti como se estivesse acometido pela dor. Mesmo assim, depois de ouvir de Sri Hanuman sobre as glórias dos pés de lótus de Sri Ramacandra , e ao experimentar directamente essas glórias, tinha esperança de afastar a agonia em meu coração. Assim, comecei a sobrepor a forma e atributos do meu adorável Sri Madana-Gopala sobre Sri Ramacandraji.

No entanto, quando me lembrava de Vraja-bhumi pela influência de práticas passadas, eu sentia um pesar no coração com a esperança de experimentar os passatempos do meu adorável Sri Madana-Gopala.

Em momentos como esse, Sri Hanumanji, o melhor dos ministros de Sri Ramacandraji, conseguia entender meu coração. Ele parava meu tormento por pacificar-me com vários truques e argumentos inteligentes.

Sri Ramacandraji, que conhece os corações de todos e em todo o mundo, e cujo coração é sempre suave com imensa bondade, pessoalmente e carinhosamente consolou-me com palavras doces e disse: "Ó Gopa-kumara, com alegria avance para Dvaraka." Ele ordenou o rei dos ursos, Sri Jambavan, para levar-me rapidamente para lá."

Assim termina a tradução do quarto capítulo do Segundo Canto do Sri Brhad-bhagavatamrta.

Então aqui o Senhor Ramacandra está a demonstrar que é o devoto(a) que especifica sua relação com Deus, e não o contrário.

Portanto a afirmação: "Ah eu sirvo a Deus como Ele quizer que eu sirva", não está correcta.

Depois do devoto(a) definir sua relação (Rasa), então sim servirá como o seu amado Senhor deseje. Mas primeiro definiu uma relação e inclinação.

Portanto, ainda que a grande maioria dos Gaudiya Vaisnavas adoptem Vraja Bhava é extremamente ofensivo dizer: "Oh Hanuman é só um Dasya Bhakta, nós queremos Gopi Bhava."

Então é uma questão de inclinação pessoal, que deve estar bem definida.
--------------------------------------------------------------------------
Ramacandra e todos os Avataras têm sua origem em Krsna.

Quando Ramacandra passou pela floresta de Dandakaranya, os sábios aí residentes em meditação desejaram tornar-se os seus devotos na emoção de amor conjugal transcedental. No entanto, Ramacandra informou-os que, nesta encarnação Ele não seria capaz de cumprir a sua vontade, porque Ele tinha feito uma promessa de ter apenas uma mulher - Eka patni vrata.

Ele então disse-lhes que só poderiam atingir esse estatuto devocional em relação à Sua encarnação como Krsna. Assim Krsna é transcendentalmente mais completo do que Ramacandra, pois Ele tem uma maior capacidade de retribuir em muitas variedades de amor. Nesse sentido ele é supremo e tudo o que encontramos em Ramacandra também está lá em Krsna, juntamente com algo mais.
-------------------------------------------------------------------------
Rama abandonou sita ao ouvir um comentário de seu súdito.

1 - É uma interpolação. Sri Rama nunca abandonou Sita. Esta história vem no Uttara Kanda do Ramayana. Uttara Kanda é uma interpolação in toto.

2 - Vipralambha - Jiva Goswami, VCT e alguns Acaryas Vaisnavas especialmente na Sri Sampradaya, ensinam que o exílio de Sita foi para invocar uma Rasa mais profunda, do ponto de vista de Rasa é uma experiência superior o amor em separação e é maior do que o amor em união no sentido de que as emoções se tornam intensificadas. É explicado que "o coração cresce mais afeiçoado na ausência do amado."

"A separação do Senhor Ramacandra de Sita é espiritualmente entendida como Vipralambha, que é uma actividade da potência Hladini da Suprema Personalidade de Deus pertencente ao Srngara-rasa, a doçura do amor conjugal no mundo espiritual."
(SB 9.10.11)
--------------------------------------------------------------------------
Maya Sita

"Ravana queria raptar Sita, mas isto era impossível, e ao invés disso ele raptou Maya Sita."

(SB 10.13.15)

"O Kurma Purana afirma que foi Maya Sita a qual foi colocada no fogo como um teste de castidade. Foi Maya Sita que entrou no fogo e foi a Sita real que saiu do fogo."

(CC Madhya 1.117)
---------------------------------------------------------------------------
Do filme "O Príncipe Rama"

Laksmana:
"Irmão, como pôde cremar e fazer os ritos funerários dos nossos inimigos junto com os corpos dos nossos próprios soldados?

Sri Rama:
"Laksmana, eles eram nossos homens e homens de Ravana enquanto vivos, mas na morte não existem inimigos. Será que todos não merecem uma cremação solene e ritos funerários?

Laksmana:
"Não é próprio de um verdadeiro Ksatriya, um verdadeiro guerrreiro deixar-se comover por tal emoção.

Sri Rama:
"Meu irmão, quando partimos nesta expedição, eu também estava cheio de ira e amargura no coração. Mas em nossa viagem para Lanka, eu vi, vi todos nós. Recebemos por ordem superior a dádiva preciosa da vida. E é mais importante ser um bom ser humano do que simplesmente um bom Ksatriya.

Não viemos nós, todos nós de uma mesma fonte? Devas, Asuras, homens, feras, pássaros do ar? Contudo, alguns de nós em ignorância apontamos arcos e flechas contra nossos irmãos.

Muitos morreram neste campo de batalha hoje, e muitos mais morrerão até ao fim da guerra. Como Ksatriya, devo continuar a lutar minhas batalhas, mas quando eu cremar os corpos, vou rezar por um mundo livre de todas as guerras. Onde o Homem não levante sua mão com ira contra seu próprio irmão.

Laksmana:
Irmão, faltam-me palavras.